Núcleo Literatual
  • Publicado em 14/06/2018 às 15:39

    O Núcleo Literatual propõe-se a desenvolver estudos relativos às narrativas da contemporaneidade, no sentido de reconhecê-la em sua relação com a literatura de períodos anteriores, assim como procurando perceber o que lhe seja especial, próprio, característico.


  • Primeiro e-book científico publicado pelo Literatual

    Publicado em 08/05/2020 às 13:43

     

    O Núcleo de Pesquisa Literatual lança seu primeiro e-book, “A Contemporânea Literatura Brasileira – Poéticas do Século XXI em debate”, socializando gratuitamente debates produzidos por pesquisadorxs nacionais. Resultante de uma ampliação das pesquisas produzidas internamente no núcleo, o livro conta 9 capítulos e a participação de 12 autorxs, contando com a organização dxs professorxs pesquisadorxs Camila Morgana Lourenço e por Marcio Markendorf. Vinculado ao Programa de Pós-graduação em Literatura da UFSC, o Literatual dedica-se ao estudo de narrativas da contemporaneidade, privilegiando leituras pós-coloniais e feministas.

    O e-book pode ser baixado gratuitamente clicando aqui.

     


  • Palestra com Lia Vainer Schucman

    Publicado em 03/03/2020 às 11:38

     

    O Literatual receberá a professora e pesquisadora Lia Vainer Schucman para a palestra “O lugar do branco nas relações raciais brasileiras”,
    evento de abertura das atividades do núcleo de pesquisa. A ação extensionista faz parte do projeto Redes, voltado para o intercâmbio de saberes entre diferentes áreas e campos de estudo.

    Lia Vainer Schucman é doutora em Psicologia Social pela Universidade de São Paulo com estágio de doutoramento no Centro de Novos Estudos Raciais pela Universidade da Califórnia.
    Atua como professora do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e pesquisadora de Psicologia e Relações étnico-raciais . Lia Vainer é autora dos livros “Entre o Encardido, o Branco e o Branquíssimo: Branquitude, Hierarquia e Poder na Cidade de São Paulo” (Annablume) e “Famílias Interraciais: tensões entre cor e amor” (EDUFBA, 2018).

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     


  • Seminário Memórias do Corpo

    Publicado em 17/10/2019 às 8:32

    Quais impressões são grafadas a ferro e fogo no corpo? Quais tatuagens de identidade, de trauma, de memórias inscrevem-se na pele dos sujeitos? De que maneira o corpo pode tomar peso, materialidade, visibilidade nas representações artísticas e literárias ou nos relatos de testemunho? Como lidar com os espaços exteriores e interiores das memórias formadas nos contextos de raça, sexualidade, gênero, deficiência, classe? Como se dá o entrecruzamento entre lugares de fala, biografia, memória e afetos?

    Para a perspectiva pós-moderna, vivemos em um tempo de amnésia imediata, fruto de uma civilização baseada na imagem (Warburg, Baudrillard, Morin, Boehm, Bredekamp, Merleau-Ponty, Lacan, Žižek), na informação, no jornalismo, nas mídias sociais, nas tecnologias. Ao mesmo tempo observamos a omnipresença do corpo como objeto sexual e o apagamento do sensual. As representações de prazer e de dor na mídia trazem uma ilusão de intensidade (Sennett) fazendo das vivências cotidianas inscritas nos corpos materiais aparentemente mais pálidas. A comunicação parece ganhar uma dimensão mais célere, os conteúdos são absorvidos de modo vertiginoso, muitas vezes sendo descartados prontamente. O tempo da experiência, associado ao caráter épico da sabedoria, é transformado e transmutado em vivência (Benjamin). O modo como os sujeitos experienciam o tempo presente também é afetado. Passado, presente e futuro coexistem de forma paradoxal no espaço físico e simbólico fragmentados, é o que os museus de arte contemporânea parecem atestar. Assim, em busca de reavivar o debate sobre a memória e sua importância nas construções identitárias, políticas e afetivas, o Seminário Memórias do Corpo pretende articular e compartilhar saberes e práticas acerca da memória, almejando um diálogo interdisciplinar com diferentes campos de estudo e uma perspectiva interseccional na análise do corpo.

    As questões levantadas pretendem ser o alvo sobre o qual se debruçará este Seminário Memórias do Corpo, atividade organizada pelo Programa de Pós-Graduação em Literatura, com apoio do Núcleo Literatual e NuLIME, e parcerias com o IEG e o LEGH.

    Objetivo geral

    Propor debates conceituais sobre memória e corporalidade no âmbito dos estudos acadêmicos.

    Objetivos específicos

    Investigar e debater o tema da memória e do corpo nos eixos temáticos do seminário.

    Incentivar a circulação de saberes acadêmicos e a produtividade bibliográfica de estudantes de pós-graduação e pesquisadores/as.

    Eixos temáticos

    Os eixos temáticos orientadores da programação – composta por conferências, mesas-redondas e comunicações orais – são arrolados abaixo (descrever as possibilidades de cada eixo):

    Memória, corpo e afetos:
    incursões teóricas acerca de complexos corporais, dos prazeres do corpo, das afetividades etc.

    Memória, corpo e arquivo:
    incursões teóricas acerca de testemunho, relatos de si, história oral, memórias da ditadura, arquivos literários etc.

    Memória, corpo e estética:
    incursões teóricas acerca dos enquadramentos do corpo nas artes (música, literatura, artes visuais, dança, cinema, teatro, fotografia), da ideia de beleza e feiura, do grotesco e do sublime, carnavalização etc.

    Memória, corpo e política:
    incursões teóricas acerca de corpos excluídos, deficientes, invisibilizados, oprimidos, torturados, limitados, etc.

    Memória, corpo e mídia:
    incursões teóricas acerca do impacto da cultura de massas nas configurações do corpo, do corpo pós-humano, da ilusão social dos reality shows etc.

    Inscrições no link: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLScr2PO_pDNK83Z5dnxc8osT3HPzi_BGSimmAqFU0pScGzpu3Q/viewform

    Maiores informações no site: http://memoriasdocorpo.cce.ufsc.br/


  • Primeira publicação de Escrita Criativa do Literatual

    Publicado em 03/09/2019 às 23:49

    O Núcleo Literatual e a Fundação Cultural Badesc promoveram em setembro de 2018 o primeiro Laboratório de Autoria Feminina, um projeto de extensão de escrita criativa voltado para mulheres e conduzido por mulheres. Na ocasião, ministraram oficinas a poeta Thalita Coelho, a escritora e pesquisadora Daniela Stoll, a cineasta Vanessa Camassola Sandre, a fotógrafa e atriz palhaça Chris Mayer e a escritora e pesquisadora Clarice Fortunato Araújo.

    Participaram da edição 20 mulheres, escolhidas dentre mais de 60 candidatas inscritas, a partir de uma pré-seleção realizada pelas próprias ministrantes.

    O e-book é de livre distribuição gratuita e contou com o generoso prefácio da premiada escritora Natália Borges Polesso, autora de Recortes para álbum de fotografia sem gente (2013), Amora (2015), Coração à corda (2015) e Controle (2019).

    Vozes reveladas conta com 15 produções ficcionais, das quais 6 são prosa e 9, poemas.

    Este é o piloto de uma atividade que pretende investir também na criação literária no âmbito da Pós-graduação em Literatura a partir de projetos de extensão voltados para comunidade externa.

    Confira o resultado aqui.


  • 6º redes – Interseccionalidade, crítica feminista e Gloria Anzaldúa

    Publicado em 01/12/2018 às 15:38


  • Palestra “O que escondem os muros do universal: sobre a importância da diversidade de perspectivas para a literatura”

    Publicado em 06/09/2018 às 14:49

    O Núcleo Literatual – Estudos Feministas e Pós-Coloniais de Narrativas da Contemporaneidade tem o prazer de convidar as/os interessadas/os para a palestra O que escondem os muros do universal: sobre a importância da diversidade de perspectivas para a literatura a ser proferida pela professora Regina Dalcastagnè (UnB)* no dia 24 de setembro, a partir das 10h, na Sala Hassis (CCE/B, térreo).

    * Regina Dalcastagnè é professora titular livre da Universidade de Brasília e bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq. Coordena o Grupo de Estudos em Literatura Brasileira Contemporânea. Edita as revistas Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, desse Grupo de Estudos, e Veredas, da Associação Internacional de Lusitanistas. Publicou, entre outros, os livros “O espaço da dor: o regime de 64 no romance brasileiro” (Editora UnB, 1996), “Literatura brasileira contemporânea: um território contestado” (Editora da UERJ, 2012) e “Representación y resistencia en la literatura brasileña contemporânea” (Biblos, 2015).

    Acesse o evento no Facebook.


  • 5º REDES – Literatual em debates: “Ensaio sobre a cegueira”

    Publicado em 06/09/2018 às 11:19

    O Núcleo Literatual – Estudos Feministas e Pós-Coloniais de Narrativas da Contemporaneidade realiza mais uma edição de REDES: Literatual em debates no dia 28 de setembro, a partir das 10h, Sala Hassis (CCE/B, térreo). Para a ocasião, terá como convidada a professora Teresa Cristina Cerdeira*.

    * Teresa Cristina Cerdeira é Professora Titular de Literatura Portuguesa da Faculdade de Letras da UFRJ e Pesquisadora 1B do CNPq. Possui graduação em Letras Português Literaturas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1972), mestrado em Letras (Ciência da Literatura) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1979), mestrado em Littérature Comparée – Université de Toulouse II – Le Mirail (1974) e doutorado em Letras (Letras Vernáculas) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1987). Atua em Literatura Portuguesa, com ênfase nos séculos XX e XXI, sobretudo em temas relacionados à intertextualidade, relações intersemióticas, autobiografia, literatura e história. É autora dos seguintes livros: “José Saramago: entre a história e a ficção uma saga de portugueses” (Dom Quixote, Lisboa, 1989), “O avesso do bordado” (Caminho, Lisboa, 2000), “A tela da dama” (Presença, Lisboa, 2013) e “A mão que escreve” (Rio de Janeiro. Casa da Palavra, 2014). Organizadora e autora do livro de ensaios coletivos sobre a obra de Helder Macedo.

    Acesse o evento no Facebook.


  • Seminário de Pesquisa do Literatual

    Publicado em 14/06/2018 às 15:50

    O evento tem por objetivo a apresentação e discussão de pesquisas em desenvolvimento por parte integrantes do Núcleo Literatual – Estudos Feministas e Pós-coloniais de Narrativas da Contemporaneidade.

    Data: 05/07/2018, a partir das 13h30

    Local: Sala Drummond, CCE, Bloco B, térreo, UFSC

    Acesse o evento no Facebook.


  • Palestra: “O que o golpe quer calar: literatura e política no Brasil hoje”

    Publicado em 13/03/2018 às 10:23

    No dia 29 de março a professora Dra. Regina Dalcastagnè (UnB) irá proferir, na UFSC, a Palestra “O que o golpe quer calar: literatura e política no Brasil hoje”. A atividade acontecerá no Auditório Henrique Fontes, CCE, Bloco B, Térreo, a partir das 18h30 [novo horário!!!].

    #paracegover: a imagem traz o resumo da intervenção e informações sobre data, local e Núcleos envolvidos com a atividade: “Para se consolidar, o golpe de 2016 tem de conter o movimento de democratização que, de algum modo, se fortalecia no país, especialmente a partir do acesso à educação pública e com a valorização dos espaços periféricos de produção cultural. Esse golpe se estabelece, então, contra os direitos das mulheres, dos negros, dos trabalhadores, dos moradores das periferias, da população LGBT; contra sua inserção social e contra suas formas de expressão. Mais do que nunca, precisamos estar atentos ao que essas vozes têm a nos dizer, ao que elas acrescentam na compreensão de nossa realidade e em termos de ampliação dos recursos estéticos disponíveis para reinterpretar o mundo.”