Núcleo Literatual
  • Publicado em 14/06/2018 às 15:39

    O Núcleo Literatual propõe-se a desenvolver estudos relativos às narrativas da contemporaneidade, no sentido de reconhecê-la em sua relação com a literatura de períodos anteriores, assim como procurando perceber o que lhe seja especial, próprio, característico.


  • 6º redes – Interseccionalidade, crítica feminista e Gloria Anzaldúa

    Publicado em 01/12/2018 às 15:38


  • Palestra “O que escondem os muros do universal: sobre a importância da diversidade de perspectivas para a literatura”

    Publicado em 06/09/2018 às 14:49

    O Núcleo Literatual – Estudos Feministas e Pós-Coloniais de Narrativas da Contemporaneidade tem o prazer de convidar as/os interessadas/os para a palestra O que escondem os muros do universal: sobre a importância da diversidade de perspectivas para a literatura a ser proferida pela professora Regina Dalcastagnè (UnB)* no dia 24 de setembro, a partir das 10h, na Sala Hassis (CCE/B, térreo).

    * Regina Dalcastagnè é professora titular livre da Universidade de Brasília e bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq. Coordena o Grupo de Estudos em Literatura Brasileira Contemporânea. Edita as revistas Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, desse Grupo de Estudos, e Veredas, da Associação Internacional de Lusitanistas. Publicou, entre outros, os livros “O espaço da dor: o regime de 64 no romance brasileiro” (Editora UnB, 1996), “Literatura brasileira contemporânea: um território contestado” (Editora da UERJ, 2012) e “Representación y resistencia en la literatura brasileña contemporânea” (Biblos, 2015).

    Acesse o evento no Facebook.


  • 5º REDES – Literatual em debates: “Ensaio sobre a cegueira”

    Publicado em 06/09/2018 às 11:19

    O Núcleo Literatual – Estudos Feministas e Pós-Coloniais de Narrativas da Contemporaneidade realiza mais uma edição de REDES: Literatual em debates no dia 28 de setembro, a partir das 10h, Sala Hassis (CCE/B, térreo). Para a ocasião, terá como convidada a professora Teresa Cristina Cerdeira*.

    * Teresa Cristina Cerdeira é Professora Titular de Literatura Portuguesa da Faculdade de Letras da UFRJ e Pesquisadora 1B do CNPq. Possui graduação em Letras Português Literaturas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1972), mestrado em Letras (Ciência da Literatura) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1979), mestrado em Littérature Comparée – Université de Toulouse II – Le Mirail (1974) e doutorado em Letras (Letras Vernáculas) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1987). Atua em Literatura Portuguesa, com ênfase nos séculos XX e XXI, sobretudo em temas relacionados à intertextualidade, relações intersemióticas, autobiografia, literatura e história. É autora dos seguintes livros: “José Saramago: entre a história e a ficção uma saga de portugueses” (Dom Quixote, Lisboa, 1989), “O avesso do bordado” (Caminho, Lisboa, 2000), “A tela da dama” (Presença, Lisboa, 2013) e “A mão que escreve” (Rio de Janeiro. Casa da Palavra, 2014). Organizadora e autora do livro de ensaios coletivos sobre a obra de Helder Macedo.

    Acesse o evento no Facebook.


  • Seminário de Pesquisa do Literatual

    Publicado em 14/06/2018 às 15:50

    O evento tem por objetivo a apresentação e discussão de pesquisas em desenvolvimento por parte integrantes do Núcleo Literatual – Estudos Feministas e Pós-coloniais de Narrativas da Contemporaneidade.

    Data: 05/07/2018, a partir das 13h30

    Local: Sala Drummond, CCE, Bloco B, térreo, UFSC

    Acesse o evento no Facebook.


  • Palestra: “O que o golpe quer calar: literatura e política no Brasil hoje”

    Publicado em 13/03/2018 às 10:23

    No dia 29 de março a professora Dra. Regina Dalcastagnè (UnB) irá proferir, na UFSC, a Palestra “O que o golpe quer calar: literatura e política no Brasil hoje”. A atividade acontecerá no Auditório Henrique Fontes, CCE, Bloco B, Térreo, a partir das 18h30 [novo horário!!!].

    #paracegover: a imagem traz o resumo da intervenção e informações sobre data, local e Núcleos envolvidos com a atividade: “Para se consolidar, o golpe de 2016 tem de conter o movimento de democratização que, de algum modo, se fortalecia no país, especialmente a partir do acesso à educação pública e com a valorização dos espaços periféricos de produção cultural. Esse golpe se estabelece, então, contra os direitos das mulheres, dos negros, dos trabalhadores, dos moradores das periferias, da população LGBT; contra sua inserção social e contra suas formas de expressão. Mais do que nunca, precisamos estar atentos ao que essas vozes têm a nos dizer, ao que elas acrescentam na compreensão de nossa realidade e em termos de ampliação dos recursos estéticos disponíveis para reinterpretar o mundo.”


  • Literatual realiza quarta edição de REDES

    Publicado em 19/10/2017 às 17:48

     

    O Núcleo Literatual realiza mais uma edição do projeto extensionista REDES com a presença de Leila Harris (UERJ), com a fala “Teorias e práticas feministas atuais: buscando afinidades através das diferenças”, e de João Manuel de Oliveira (UFSC / ISCTE-IUL), com o trabalho”Feminismos e desobediências de gênero”.

    O evento é aberto ao público e gratuito. Haverá certificação aos participantes.

    Onde: Sala Hassis, Térreo, CCE-B, UFSC
    Quando: 26 de outubro, quinta-feira
    Horário: 14h30

    Sobre os convidados
    Leila Harris é Professora Associada da Universidade do Estado do Rio de Janeiro e bolsista FAPERJ (Procientista). Possui graduação em Português Inglês pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, mestrado em Inglês (Linguística) pela Texas Tech University e doutorado em Inglês (Literatura Norte Americana) pela Texas Tech University. Fez estágio de Pós-Doutorado na UFMG e atualmente faz pesquisa supervisionada sobre gênero e diáspora com a Professora Dra. Simone Schimdt da UFSC. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Literatura Norte Americana, atuando principalmente nas literaturas de língua inglesa, literatura comparada, literaturas contemporâneas de autoria feminina, estudos de gênero, classe e etnia, estudos culturais. Foi coordenadora do GT A Mulher na Literatura, da ANPOLL e é lider do grupo de pesquisa do CNPq A voz e o olhar do Outro: questões de gênero e/ou etnia nas literaturas de língua inglesa.

    João Manuel de Oliveira é Professor Visitante no Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), integrado no Núcleo Margens e Professor Visitante no Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL) integrado no Centro de Investigação e Intervenção Social, onde coordena a linha de investigação Género, Sexualidades e Interseccionalidades. Investiga na área dos Estudos de Gênero. Tem publicado sobre as seguintes áreas de pesquisa: teorias feministas, teoria do gênero, teoria queer, cidadania sexual, homonormatividade, interseccionalidade. É doutor em Psicologia Social pelo ISCTE-IUL. Fez trabalhos de pós-doutorado na Universidade do Minho (2010-2012), Universidade do Porto (2013-2014), ISCTE-IUL (2015-2016) e foi pesquisador visitante no Birkbeck College da Universidade de Londres e no grupo Cultura e Sexualidade (CUS) da Universidade Federal da Bahia. Publicou recentemente o livro Desobediências de Gênero.


  • Literatual realiza terceira edição de REDES

    Publicado em 16/05/2017 às 9:15

     

    O Núcleo Literatual – Estudos Feministas e Pós-Coloniais de Narrativas da Contemporaneidade receberá a pesquisadora Drª Débora Domke Ribeiro Lima com a palestra “O abismo psicológico de Pessoa e a religiosidade de Goethe na criação do Fausto” no dia 26 de maio de 2017, às 10h00, na Sala de Projeção ‘Harry Laus’, Biblioteca Universitária. A ação é aberta ao público, inteiramente gratuita e com certificação aos participantes.

     

    Sobre a palestra:

    A fala da pesquisadora pretende apresentar considerações a respeito do Fausto de Pessoa, introspectivo, em contraponto ao Fausto de Goethe, que apresenta a religiosidade como possível salvação. A solidão e o horror de deparar-se com a realidade são os conflitos que o protagonista de Pessoa enfrenta ao longo do poema, sem conseguir e nem mesmo almejar sair de sua subjetividade, o oposto do Fausto goetheano, que lida com conflitos internos e externos a ele, conseguindo sua salvação por meio da interseção religiosa. A figura de Mefistófeles não aparece na tragédia, uma vez que, “o ‘seu’ Fausto é, ao mesmo tempo, pura vertigem ontológica e pura solidão” (LOURENÇO, 2013, p. 24). Enquanto o Fausto de Goethe se relaciona com o divino e chega a receber a salvação mesmo tendo feito o acordo com Mefistófeles, o autor português interioriza mais uma vez esse elemento, trazendo para dentro de si mesmo a existência divina: “Deus. A apreensão de si mesmo como eu em toda a sua plenitude, ser puro e pura luz, em suma, deus de si próprio” (LOURENÇO, 2013: p. 18). A interiorização dos conflitos e a constatação do desdobramento de si mesmo suscitam a tão conhecida alteridade pessoana, que o tornou famoso com seus heterônimos. Em Fausto, o leitor se depara com o heteronismo abstrato e metafísico, concentrando no protagonista o pluralismo de ideias, conceitos e conflitos. Pretende-se, pois, analisar as diferenças de abordagem do Fausto entre os dois autores pelo viés psicológico, utilizado pelo autor português, em contraponto à religiosidade presente de maneira significativa na obra de Goethe. A diferença entre essas duas abordagens será o objeto de investigação do estudo.

     

    Sobre a pesquisadora:

    Débora Domke Ribeiro Lima é formada em Letras Vernáculas pela Universidade Estadual de Londrina. Cursou o mestrado em Letras, na mesma instituição, na área de Teoria Literária, defendendo a dissertação O amor em quatro contos de Tutameia, em 2005. Débora Domke ingressou no doutorado da USP, em 2009, no departamento de Teoria Literária e Literatura Comparada, com a tese Os labirintos do amor: um estudo comparativo de Fausto I e Grande Sertão: Veredas, etapa concluída em 2013. A pesquisadora fez parte do doutorado em Weimar, na Alemanha, com bolsa da Goethe Gesellschaft e, em 2016, participou do Eurocampus, curso de inteculturalidade oferecido pela Universidade de Tallin, na Estônia, com bolsa do programa Erasmus.

     


  • Literatual e Cinema Mundo exibem “Estive em Lisboa e lembrei de você”

    Publicado em 02/05/2017 às 19:04

     

    O Núcleo Literatual em parceria com o Cinema Mundo realiza no dia 5 de maio, sexta-feira, às 18h30, a exibição comentada de “Estive em Lisboa e lembrei de você” (2015), filme dirigido por José Barahona e adaptado da obra homônima de Luiz Ruffato. A exibição acontece no Auditório Elke Hering da Biblioteca Universitária da UFSC, com entrada franca.

    A ação propõe um debate acerca dos poderes e das interfaces do Cinema e da Literatura Contemporânea.

    “Estive em Lisboa e lembrei de você” teve estreia nacional em 1 de dezembro de 2016, mas não chegou aos cinemas de Santa Catarina, de modo que esta é a primeira exibição pública realizada em território catarinense.

    A sessão será comentada por Leomaris Espindola Aires e Jair Zandoná.

    Leomaris Aires é licenciada em Letras Língua francesa e Literaturas pela Universidade Federal de Santa Catarina, mestre e doutoranda em Estudos da Tradução (PGET/UFSC). Foi bolsista de doutorado sanduíche no exterior (PDSE) na Universidade do Minho, Portugal. Atualmente pesquisa a obra literária “Estive em Lisboa e lembrei de você” de Luiz Ruffato e a adaptação cinematográfica homônima de José Barahona.

    Jair Zandoná é doutor (2013) e mestre (2008) em Literatura pela Universidade Federal de Santa Catarina. Graduado em Letras Português Habilitação em Língua Espanhola e Respectivas Literaturas pela Universidade do Oeste de Santa Catarina (2003). É um dos editores da Revista Anuário de Literatura (PPGL/UFSC), editor de resenhas da Revista Estudos Feministas (REF), integra o quadro de pesquisadores/as associados/as do Instituto de Estudos de Gênero (IEG/UFSC) e do Núcleo de Literatura Brasileira Atual – Estudos Feministas e Pós-Coloniais de Narrativas da Contemporaneidade (LITERATUAL/UFSC). Atualmente, realiza estágio de pós-doutorado no PPGLit/UFSC, com bolsa de CNPq.

    Para saber mais sobre o filme, consulte o press kit.

     


  • Literatual realiza segunda edição de REDES

    Publicado em 22/08/2016 às 18:56

    O Núcleo Literatual – Estudos Feministas e Pós-Coloniais de Narrativas da Contemporaneidade receberá a pesquisadora Gabriela Falcão com a palestra “Processos discursivos e a construção de proposições de políticas nas Conferências de Políticas para as Mulheres” no dia 30/08/2016, a partir das ah na Sala Drummond, CCE/B – térreo.

    13932847_663120760520278_1831691208158378941_n